O discurso do dicionário

Research output: Chapter in Book/Report/Conference proceedingChapter

Abstract

A lexicografia, uma área quase subalterna da lingüística aplicada, vive tradicionalmente uma situação contraditória: todos admitem usar dicionários, todavia poucos os estudam. Na sala de aula, o professor de línguas estrangeiras é costumeiramente intimado a responder à pergunta "qual o dicionário que você aconselha?" Ele permanece necessariamente mudo, ou finge que sabe a resposta, mas nem por isso é levado a fazer uma pesquisa, por mínima que seja, que dê uma resposta fundamentada à pergunta. Os dicionários são usados, mas são pouco questionados. Os menos usados, os monolíngües, são os menos questionados. Os bilíngües, os mais.
Várias razões podem ser aduzidas para explicar este fato. A primeira decorre do fato de que qualquer dicionário, mesmo de dimensões reduzidas, é um empreendimento a longo termo. E, como já dizia La Rochefoucauld, "As pessoas têm grandes ambições e pequenos projetos". O oficio do lexicógrafo é visto como enfadonho, meticuloso em demasia, não poucas vezes, interminável. Daí a percepção do dicionário como entidade fora deste mundo, incriticável, sem autor, ou autor mítico. A Introdução ao Aurélio (1ª ed.) menciona vários casos de lexicógrafos que nunca viram a luz do outro lado do alfabeto, que morreram no meio da letra M ou enlouqueceram no limiar da letra O. Daí a percepção da lexicografia como um mundo de respeitoso tédio. O próprio Doctor Johnson, autor do primeiro dicionário moderno de inglês, se auto-caracterizava pouco romanticamente como: "um autor de dicionários; uma besta de carga inofensiva, que se ocupa em perseguir o significado original das palavras e detalhando sua significação." . A perspectiva de se confrontar com os frutos de um trabalho tão enfadonho não parece, para um pesquisador em potencial, um assunto muito atraente. Talvez seja a falta de pesquisadores, combinada com a sua contraditória popularidade, que faça do dicionário um objeto quase surreal, oriundo de um Sinai longínquo, anônimo, cujo conteúdo nunca foi tocado por nenhuma mão humana.
Original languageEnglish
Title of host publicationDesvendando discursos. Conceitos b�sicos.
EditorsCarmen Rosa Caldas Coulthard, Leonor Scliar Cabral
PublisherEditora ufsc
Pages318-344
Number of pages26
ISBN (Print)978-85-328-0421-1
Publication statusPublished - 2008

Bibliographical note

Carmen Rosa Caldas Coulthard, Leonor Scliar Cabral

Keywords

  • Lexicography, dictionary

Fingerprint

Dive into the research topics of 'O discurso do dicionário'. Together they form a unique fingerprint.

Cite this